Quaresma, tempo de Oração

A Quaresma é o tempo propício para um verdadeiro encontro com Deus. O que a Igreja nos pede? Jejum, oração e penitência.

A Quaresma nos leva a uma maior reflexão sobre os passos de Cristo em sua caminhada até a cruz. A Igreja convida a viver em plenitude o mistério da Paixão de Cristo,  isso é um movimento, um querer diário. Essencialmente, o período é um retiro espiritual, são quarenta dias voltado à reflexão, onde todo cristão se recolhe em oração e penitência preparando o espírito para a acolhida do Cristo Vivo.

Após o período de quarenta dias, se inicia oTríduo Pascal, que termina no Domingo de Páscoa.

Cada passo dado durante a Quaresma nos aproxima mais do Cristo vivo no Sacramento da Eucaristia.

O Dízimo do Senhor

“Honra ao Senhor com os teus bens e com a primeira parte de todos os teus ganhos; e se encherão os teus celeiros, e transbordarão de vinho os teus lagares.” (Provérbios 3; 9,10)

A prática do dízimo não é um ato que se faça sem que o coração esteja envolvido. Tudo o que temos vem de Deus, justo será que lhe entreguemos parte dos bens com que Ele próprio nos cumula.

Já no Antigo Testamento observamos o patriarca Abraão, que oferece o dízimo: “Considerai, pois, quão grande é aquele a quem até o patriarca Abraão deu o dízimo dos seus mais ricos espólios. 5Os filhos de Levi, revestidos do sacerdócio, na qualidade de filhos de Abraão, têm por missão receber o dízimo legal do povo, isto é, de seus irmãos”. (Hb 7,4-5) 

Os diversos títulos de Nossa Senhora

diversos-titulos-de-nossa-senhora

Maria, Mãe de Deus, é reverenciada de diversas formas. Ao longo do tempo, diversas denominações foram conferidas à Virgem Santíssima. Os títulos atribuídos a Ela são designados através da devoção popular, da história ou ainda das festas Litúrgicas em que a Igreja celebra Aquela que foi escolhida por Deus, desde sempre, para trazer ao mundo o Salvador.

Maria, pela qual passam todas as petições, é o canal que une o céu à terra.

Suas aparições lhe conferem os nomes dos lugares onde, pela graça de Deus, Ela se manifestou. Seu socorro lhe suscita títulos de poder, de excelência, de bondade.

A Igreja celebra Maria, a Mãe de Deus (Teotókos), na Anunciação, na Natividade, na Apresentação, a Imaculada, enfim, Maria é única e reúne todas as virtudes que só Deus poderia conferir a uma única pessoa.

A celebração de um ano mariano nos traz mais para perto da Mãe de Jesus e nos faz querer conhecer mais e melhor essa que é a Mãe da Misericórdia, que com seu “sim” abraça os planos de Deus e vive uma vida de amor a Jesus e aos filhos que lhe foram confiados.

As primeiras imagens de Nossa Senhora, segundo a Tradição, remontam aos primeiros séculos. A mais antiga é um afresco do início do século II e se encontra na catacumba de Priscila, em Roma.

Na Ladainha de Nossa Senhora encontramos os mais belos títulos com que a Igreja honra a Santíssima Virgem: Santa Mãe de Deus, Mãe de Cristo, Mãe Imaculada, Virgem Fiel, Causa da nossa Alegria, Rosa Mística, Estrela da Manhã, Refúgio dos Pecadores, Rainha dos Apóstolos, Rainha da Paz.

Venerada por suas aparições e socorro às necessidades de seus filhos, Maria recebe denominações como: Nossa Senhora Aparecida, Nossa Senhora de Fátima, Nossa Senhora de Lourdes, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Nossa Senhora da Glória, Nossa Senhora da Cabeça, Nossa Senhora da Piedade, Nossa Senhora das Graças, Nossa Senhora de Guadalupe, Nossa Senhora da Ajuda e tantos outros títulos que nos levam a constatar a grandeza de Maria junto à Santíssima Trindade.

É a mesma Maria, Aquela que, em um gesto de amor, doou a vida em favor de todos com um único “sim”. A mesma que socorre, adverte, acolhe e ensina através de suas virtudes a caminhar com Jesus e a fazer tudo aquilo que Ele nos disser

Ano Jubilar Mariano no Brasil

 

imagem-materia-pag03-box
Imagem da Padroeira do Brasil nos Jardins do Vaticano

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil instituiu, no dia 12 de outubro, um Ano Jubilar Mariano. O acontecimento, que teve início com a inauguração do novo Campanário do Santuário Nacional, em Aparecida, se deve à comemoração dos 300 anos desde que a imagem de Nossa Senhora Aparecida foi encontrada nas águas do rio Paraíba do Sul.

Dom Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília e presidente da CNBB, afirmou que esse será um tempo de graça e convidou toda a população a se voltar para Nossa Senhora: “É um ano para celebrar, para comemorar, para louvar a Deus, mas também para reaprender com Nossa Senhora como seguir Jesus Cristo, como ser cristão hoje”.

O arcebispo de Aparecida, Dom Raymundo Damasceno, falou da importância desse acontecimento, “que não é somente histórico; a devoção a Nossa Senhora Aparecida faz parte da história do Brasil, mas também de fé”. E enfatizou que “Maria sempre foi uma porta aberta ao conhecimento de Jesus; é o modelo de seguimento de Cristo, dos valores humanos que marcam a identidade religiosa do povo”.

O Ano Nacional Mariano é a oportunidade de um conhecimento maior sobre quem é Nossa Senhora e a sua importância para a construção de uma vida de fé. As virtudes de Maria levam à reflexão de como devemos ser parecidos com Ela, para que sejamos mais parecidos com Jesus.

Nas Bodas de Caná, Nossa Senhora intervém em favor dos noivos. É assim até hoje: Maria é aquela que observa quando o vinho está no fim e, com docilidade, leva o fato ao conhecimento de Seu Filho. Refletir sobre Maria e com Maria nos aproxima mais de Deus. Foi através Dela que Jesus veio ao mundo para a Sua missão. Isso faz de Maria Santíssima partícipe do plano de Salvação de Deus. O ano, que terá seu encerramento no dia 11 de outubro de 2017, será um tempo de verdadeira conversão ao amor da Mãe do Senhor Jesus.

Esse tempo certamente fará crescer ainda mais o fervor dessa devoção e a alegria em fazer tudo o que Ele disser (cf. Jo 2,5).

 

Foi Inaugurada no dia 3 de setembro, nos  Jardins do Vaticano, uma imagem da Padroeira do Brasil.   Uma barca onde estão as figuras de três pescadores e, saindo dessa barca, uma rede feita de peixes. Sobre a rede, está a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Um pouco, simbolicamente, o que foi a aparição de Nossa Senhora, cuja imagem foi recolhida pelos pescadores do fundo do Rio Paraíba.

Nossa Paróquia também comemora seu jubileu. Há 50 anos atrás nascia a comunidade de Nossa Senhora de Fátima-RTS, em Todos os Santos.

Este ano, paralelo às comemorações do  centenário das aparições em Fátima e as festividades dos 300 anos  do encontro da  imagem de  Nossa Senhora  em Aparecida, celebraremos o ano Jubilar homenageando a  Mãe de Deus  com todas as honras que lhes são devida.

50 Anos da Renovação Carismática Católica

Por ocasião do Concílio Vaticano II, a Igreja profetizava um mover do Espírito Santo. Seu fundador, o Papa João XXIII, definiu o Concílio como uma “abertura de janelas”, por onde o Espírito Santo traria um “ar novo e fresco”. Já São João Paulo II afirmou: “o Concílio Vaticano II constituiu uma dádiva do Espírito à sua Igreja”.

E foi com esse mover do Espírito Santo que nasceu a Renovação Carismática Católica.