YOUCAT – PODEMOS DESCOBRIR A EXISTÊNCIA DE DEUS COM A NOSSA RAZÃO?

Descobrir a Deus, que também se revela a Nós!

A mais nobre força do ser humano é a razão. A mais alta meta da razão é o conhecimento de Deus.” – Santo Alberto Magno O.P., Doutor da Igreja

Muitas vezes nos perguntamos: por que há pessoas que negam a Deus, já que Ele pode ser descoberto pela razão?

Descobrir a Deus invisível é um grande desafio para o nosso espírito, o espírito humano. Perante isso, muitos recuam de medo, havendo também aqueles que não querem descobrir a Deus, justamente por ter que mudar de vida.

O Venerável Papa Pio XII, em sua encíclica Humani Generis, já falava sobre isso: “Por isso há pessoas que, nestes assuntos, se convencem de que é falso ou duvidoso aquilo com que não querem concordar”.

Mas Deus poderia de alguma forma abarcar-se em conceitos? Podemos então falar razoavelmente d’Ele? E por que Ele teve se Se revelar para sabermos como Ele é?

Nós, seres humanos, somos limitados enquanto Deus é de uma infinita grandeza, que nunca se ajuste aos nossos conceitos, mas podemos falar acertadamente sobre Ele. Para isso, precisamos utilizar de imagens imperfeitas e noções limitadas, tendo noção de que a nossa linguagem não está à altura da grandeza de Deus. Desse modo, temos continuamente buscar melhorar e purificar as nossas falas e discurso sobre Ele.

Assim, Deus teve de se revelar a nós, fazendo isso por amor. Podemos alcançar racionalmente a existência de Deus, mas não como Ele realmente é, logo, Deus se revela para que o conheçamos. Tal como no amor humano, só podemos conhecer algo de quem amamos quando essa pessoa nos abre o coração, assim, só conhecemos os mais íntimos pensamentos de Deus porque Ele, em toda sua eternidade e mistério, se abriu a nós por amor.

Podemos perceber isso desde a criação, passando pelos patriarcas e profetas, até a definitiva revelação de Deus em Seu Filho Jesus Cristo. Nesse caminho, Deus se comunicou continuamente com a humanidade. Em Jesus, ele verteu-nos o coração e tornou-nos claro o seu Ser mais íntimo. Assim, a Revelação é justamente Deus, que se abre, se mostra, e fala ao mundo por livre vontade. É Deus que se deixa conhecer e quer se conhecido por cada um de nós, que o buscam sem cessar.

Desenvolvimento infantil integral

Em consultas de rotina com diferentes médicos pediatras, mais de uma vez ouvi a seguinte receita para conferir se a criança pequena está saudável: comer bem; dormir bem; exercitar-se bem.

Escrevendo sobre o início da vida e a relação mãe-bebê, Tracy Hogg e Melinda Blau, autoras da coleção “Encantadora de bebês”, apresentam uma proposta de rotina diária com um recém-nascido. No intuito de ajudar as mamães a atenderem as principais necessidades dos seus bebês, essa rotina é dividida em quatro momentos, que se repetem de forma cíclica: alimentação, higiene, estimulação e descanso.

O que essas informações têm em comum? Elas iluminam um olhar sensível para as necessidades básicas de um ser humano, que podem ser mais facilmente notadas nos primeiros anos de vida. Essas necessidades, universais e presentes em todas as faixas etárias, podem ser organizadas nesses 4 grandes pilares:

  1. nutrição;
  2. higiene e limpeza;
  3. movimentação e estimulação (desafio);
  4. descanso e relaxamento

A partir dessas palavras-chave temos um mapa para auto avaliar de modo simples como anda o desenvolvimento da nossa criança (e a nossa própria saúde também, se desejarmos). Afinal, ter saúde não é apenas estar sem dores ou doenças. Vai muito além, englobando o bem-estar físico, psicossocial e espiritual.

Crianças que estão apresentando algum tipo de dificuldade psicológica ou um conflito emocional importante com frequência vão apresentar alterações nessas áreas. Problemas para comer ou parar de comer, para ir dormir ou acordar, dificuldades em encarar desafios ou para não entrar em brigas, entre outros. Esses pilares nos ajudam a observar o desenvolvimento infantil de modo global, integrado.

No plano da saúde espiritual também podemos observar esses mesmos princípios. A criança necessita ser nutrida espiritualmente, assim como ser estimulada e desafiada a superar seu comodismo e desenvolver virtudes, a fazer sacrifícios e penitências.

É importante também que ela tenha a experiência de “descansar em Deus”, sentindo-se amada e cuidada pelo Pai do Céu.

Desse modo, podemos celebrar aquelas áreas que estão fluindo bem e reconhecer nosso esforço diário! Contudo, perceber quais pontos necessitam de melhora é igualmente importante, para que nossa criança se desenvolva cada vez mais saudável, de corpo, mente e espírito.

Yolanda Abreu