I) Introdução.

A palavra Bíblia é de origem grega e quer dizer livro. A Bíblia é um conjunto de 73 livros divididos em Antigo Testamento (46 livros) e Novo Testamento (27 livros); que levou mais de 1.400 anos para ser escrito, por mais de 40 autores. Ela foi escrita em hebraico, aramaico e grego.

  1. II) Como foram escritos os livros da Bíblia.

A Bíblia conta a história do Povo de Deus, que começa a ser vivida por Abraão por volta do ano de 1850 antes de Cristo (Gen12). Ela vai contando a história dos patriarcas Isaac, Jacó e seus 12 filhos, inclusive José, homem de Deus, que mais tarde se tornaria um protagonista importante na história da escravidão do Povo Hebreu em terras do Egito. O Povo Hebreu fica 4 séculos escravo no Egito até que Deus vai suscitar um Profeta – Moisés – que vai libertar o Povo de Deus da escravidão do Egito.

E todas essas histórias iam sendo contadas de geração em geração de forma verbal. Muito pouca coisa tinha sido escrita nessa época. Até que, aproximadamente no ano 1.250 a.C., Moisés, atendendo a uma ordem de Javé (Ex 24,4), vai, ordenando algumas e redigindo outras, escrever todas essas histórias do Povo de Deus até então. São redigidos então os 5 primeiros livros da Bíblia, o Pentateuco, que são: Gênesis, Êxodo, Números, Levítico e Deuteronômio; e que formam também a Torá ou Lei Mosaica, o livro Sagrado dos Judeus.

E a história do Povo de Deus prossegue com o livro de Josué contando a entrada do Povo de Deus na Terra Prometida, que é dividida nas 12 Tribos de Israel. Depois vem o livro de Juízes, Reis (Saul, Davi, Salomão), vem os Profetas (Isaías, Jeremias, Daniel) e assim muitos livros vão sendo escritos, mostrando toda essa caminhada. Esses livros, por serem de muito engrandecimento espiritual, tinham suas leituras recomendadas pelo Povo de Israel, de geração em geração. Até que, entre os anos 250 e 100 a.C., vai ser definido o primeiro Cânon da Bíblia. Esses livros que antes eram livros soltos, agora vão ser reunidos em um único conjunto de livros e com a característica de escritos por inspiração divina.

Logo, de Moisés até aqui, temos aproximadamente 1000 anos de histórias, escritas em muitos gêneros literários diferentes, como por exemplo: leis, genealogias, poemas, parábolas, salmos, relatos históricos, crônicas, apocalipse, etc. Cada gênero literário tem a sua forma de interpretação própria. Se lemos uma parábola e a interpretamos como uma lei, cometemos um grave erro e entenderemos de forma distorcida aquele texto. Esse equívoco pode nos fazer cair em erros doutrinários e até morais com relação à nossa religião. Podemos citar como exemplo os 11 primeiros capítulos do Gênesis, que são textos alegóricos. Quando, por exemplo, ele mostra a criação do mundo em seis dias, isto é uma alegoria. Nos mostra uma verdade real (que foi Deus quem criou o mundo), mas de forma fantasiosa (não foi daquele jeito). Da mesma forma é a criação do homem de barro, a criação da mulher de uma costela de Adão, o pecado original, etc.

Antonio Machado

 

One comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *